Forças Armadas Mortos e Desaparecidos

Novas revelações sobre o assassinato de Vladimir Herzog

Ditadura manipulou foto da grade onde Herzog foi pendurado


Uma nova fotografia do corpo de Vladimir Herzog, assassinado em 25 de outubro de 1975 nas dependências do DOI/CODI, obtida com exclusividade pelo “Lei dos Homens”, amplia as possibilidades de reabertura judicial do caso e seu exame pela Comissão da Verdade, cuja instalação aguarda a indicação dos membros, pela Presidente Dilma Rousseff

 A cinta passada em torno do pescoço estava amarrada em uma barra de ferro a 1,63m de altura, o que impedia a suspensão em vão livre do corpo de Vladimir Herzog, cujas pernas se dobravam no chão.

Em “A Ditadura Encurralada”, pág. 177, Elio Gaspari resume a indignação nacional: “Herzog não precisava ter amarrado a tira de pano na grade inferior. Na cela especial nº 1 havia uma cadeira. Poderia ter subido nela e feito o nó na barra superior, projetando-se em vão livre.” É o que comprova a imagem, agora revelada.

O CASO 7338 – 75

A fotografia que exibe as barras superiores da janela está entregue às traças, arquivada nos autos do caso 7338 – 75, em um depósito terceirizado pelo estado de São Paulo, na cidade de Cotia (SP). Foi xerografada e distribuída em panfletos aos serviços de informações e comandos militares, com o comunicado da conclusão do Inquérito Policial Militar, assim relatada:

“No dia 25 de outubro, no xadrez especial nº 1 do Destacamento de Operações e Informações (DOI) do Centro de Operações de Defesa Interna (CODI) do II Exército, foi encontrado morto o jornalista Vladimir Herzog. Segundo as conclusões do IPM mandado instalar, Herzog enforcou-se depois de confessar-se comunista”.

Decorridos quase três meses do assassinato de Herzog, uma dessas cópias foi remetida ao general Newton Cruz, chefe da Agência Central do Serviço Nacional de Informações, com xingamentos pessoais: sugeria sua morte e o chamava de “traidor e cachaceiro”. Ele reclama das divergências internas a seu superior no SNI, João Batista Figueiredo, com um bilhete onde atesta, entre outras informações, que a tal fotografia não fora distribuída aos jornais.

A Newton Cruz interessava exclusivamente a luta interna que travava. O uso da foto, de conhecimento exclusivo de uns poucos, é o ponto no qual apoia a convicção de que seus “detratores pertencem ao CIE ou à AC/SNI”, (Centro de Inteligência do Exército e Agência Central do Serviço Nacional de Informações, respectivamente).

É muito sintomático, então, que o chefe da Agência Central do SNI guardasse na memória a ocultação pública de tal fotografia, na qual se revela a existência de outras barras de ferro acima daquela em que o corpo foi pendurado. Ou seja, a foto ocultava, sim, um fato muito relevante.

A ocultação da barra ou das barras superiores àquela a que foi amarrado Herzog, na foto distribuída aos jornais, procura induzir à fantasiosa versão de suicídio, que se torna ainda mais inverossímil na foto xerocopiada no panfleto mandado por Newton Cruz a Figueiredo.

A rubrica colocada à direita da fotografia parecer ter um significado especial para os dois generais: para Newton Cruz, que pura e simplesmente a assinalou com uma seta, e para Figueiredo, que sobre ela não precisou de qualquer informação complementar para compreender o recado do colega. Sua autoria só poderá ser determinada com a comparação de outras rubricas nos arquivos militares da época.

Fonte: Site Lei dos Homens

 

 

Aluizio Palmar

Aluízio Ferreira Palmar, nasceu em 24 de maio de 1943, em São Fidélis, Estado do Rio de Janeiro. Em sua juventude estudou na Universidade Federal Fluminense e, devido à sua militância revolucionária foi preso e banido do país, após ter sido trocado, juntamente com outros 69 presos políticos pelo Embaixador da Suíça no Brasil. Depois de passar oito anos entre o exílio e a clandestinidade, deu início, após a Anistia Política, a carreira jornalística que completou 50 anos.
Aluízio Palmar foi consultor da Comissão Nacional da Verdade e da Comissão estadual da Verdade do Paraná, tendo seu trabalho de pesquisador dado origem ao site Documentos Revelados

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.