Forças Armadas Repressão Resistência

RELAÇÃO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO EXÉRCITO, DE MILHARES DE BRASILEIROS ASILADOS E BANIDOS PELA DITADURA MILITAR

Ministério do Exército

CIE

22 SET 1978

São dois arquivos com a relação de exilados. Um, está arquivado no google drive

Para acessar clique no link abaixo. E o outro está em PDF no final do texto abaixo

 

https://drive.google.com/file/d/19XU7lKccOHVP

Nota do Editor tcCnL5437rEDaw_xKPT2/view?usp=sharing

Apesar da relação anexada apresentar diversas falhas, como por exemplo, o destino de alguns exilados, ela é uma peça importante para quem estuda o período

A edição do Ato Institucional n° 5, em dezembro de 1968, e o endurecimento do regime militar provocam uma fuga em massa de brasileiros para o exílio a partir de 1969. É a segunda leva de exilados desde o golpe de abril de 1964. A primeira era formada basicamente por líderes políticos e sindicalistas ligados ao governo do presidente deposto, João Goulart.

Dela faziam parte, além do próprio Jango, os ex-governadores Leonel Brizola e Miguel Arraes; o líder das Ligas Camponesas, Francisco Julião; o ex-chefe da Casa Civil Darcy Ribeiro, o ex-presidente Juscelino Kubistchek, os ex-dirigentes do Comando Geral dos Trabalhadores (CGT) Hércules Corrêa e Sinval Bambirra, além de oficiais e sargentos expulsos do Exército. O principal destino desse primeiro grupo foi o Uruguai, onde tinham apoio de Jango e Brizola. A França também recebeu um número importante de perseguidos políticos nessa época.

A segunda leva era constituída por estudantes, sindicalistas, intelectuais, artistas, cientistas e militantes de organizações clandestinas de oposição, armadas ou não. Desse último grupo fizeram parte 130 ex-presos políticos, que foram trocados por reféns diplomatas e banidos do país. A partir de 1971, grande parte dos exilados seguiria para o Chile, então presidido por Salvador Allende, do Partido Socialista. Muitos passaram também pela Argentina e pelo México. Intelectuais e artistas foram na maioria para a França, onde havia grupos organizados de exilados políticos. Argélia, Estados Unidos, Suécia, Bélgica, Canadá, Itália, Cuba e a ex-União Soviética, entre outros países, também receberam cidadãos perseguidos.

As estimativas sobre o número de pessoas forçadas a partir durante a ditadura militar variam entre 5 mil e 10 mil, mas não há dúvida de que foi a maior diáspora da história do Brasil. Alguns dos desterrados jamais retornaram. É o caso de Josué de Castro, médico, professor, cientista político e escritor pernambucano que dedicou a vida a estudar a questão da fome. Castro era embaixador do Brasil na ONU em 1964 quando teve seus direitos políticos cassados. Morreu no exílio sem poder voltar ao país. Do golpe de 64 até a anistia de 1978, viveram longe de casa, por algum período de tempo, notáveis brasileiros.

Texto : Memorial da Democracia

PDFs

RELAÇÃO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO EXÉRCITO, DE MILHARES DE BRASILEIROS ASILADOS E BANIDOS PELA DITADURA MILITAR

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.