FÓRUM DAS JUVENTUDES POLÍTICAS DO CONE SUL, OCORRIDA EM 1985, NO COLÉGIO MONSENHOR GUILHERME, FOZ DO IGUAÇU

Em 1985, pleno período da “redemocratização” e seis anos após a anistia política, o serviço de espionagem do Exército e Polícia Federal, monitoraram e colheram dados sobre  um evento realizado no Colégio Monsenhor Guilherme, de Foz do iguaçu. O informe em anexo é rico em detalhes e relata os nomes dos participantes, as pautas e …

Por que os ricos não fazem greve? Cadernos do Povo Brasileiro na formação política durante governo de João Goulart

Por que os ricos não fazem greve?, de Álvaro Vieira Pinto, faz parte da  coleção Cadernos do povo brasileiro, publicados de 1962-64, num total de 28 volumes. Esta publicação nasceu no ISEB Instituto Nacional de Estudos Brasileiros (1955-64) e editada Civilização Brasileira. Os Cadernos tiveram importante papel na formação política durante o governo João Goulart …

UM DRAMA PESSOAL NOS ANOS DE CHUMBO. DEPOIMENTO DO MARINHEIRO CLAUDIO DE SOUZA RIBEIRO, FUNDADOR DA VANGUARDA POPULAR REVOLUCIONÁRIA.

O cabo Claudio de Souza Ribeiro, foi um dos membros mais ativos da Associação dos Marinheiros e Fuzileiros Navais, que ele ajudou a fundar. Após o movimento, que ficou conhecido como “A Revolta dos Marinheiros”, em 1964, Claudio se integrou na luta armada contra a ditadura e durante o período que passou na clandestinidade, viveu …

DOCUMENTOS E REFLEXÕES DE APOLÔNIO DE CARVALHO, ONDE ELE ANALISA A ESQUERDA ARMADA, OS PROBLEMAS INTERNOS DO PCBR E SUA PRISÃO

Trata-se de importantes documentos, onde o dirigente comunista Apolônio de Carvalho tece reflexões sobre a opção pela luta armada contra a ditadura, as diversas crises internas no PCBR e em outras organizações revolucionários. Entre o conjunto de documentos está o depoimento de Apolônio sobre sua prisão a as torturas que lhe foram infringidas. Acervo Apolônio …

CAÇA ÀS BRUXAS EM SANTA MARIA (RS). MILITARES E CIVIS QUE NÃO ADERIRAM AO GOLPE MILITAR FORAM PRESOS INCOMUNICÁVEIS E INDICIADOS EM IPM

https://drive.google.com/file/d/1mURpuDGzU9J590aG2YL89g7R8OFtMu_W/view?usp=sharing https://drive.google.com/file/d/1Q1IQ1eCLe0YmdzWkaSs6GgflIJMWp53v/view?usp=sharing CLIQUE NOS LINKS ACIMA PARA ACESSAR O PROCESSO Seguindo com os IPMs instaurados após o golpe militar, Documentos Revelados publica o  volumoso processo, composto por 566 páginas e que faz parte do acervo do STM. Aliás,  são pouco estudados os documentos que estão no  Superior Tribunal Militar, o mais elevado órgão da Justiça …

INQUÉRITO POLICIAL MILITAR DOS SARGENTOS E OFICIAIS QUE NÃO ADERIRAM AO GOLPE. COMPLETO E DIVIDIDO E DUAS PARTES

https://drive.google.com/open?id=1ETdopFs55IsdqYoGBPEsKOfjigOYW9WL https://drive.google.com/open?id=1aop83KierxMDySQS5M1j3XGNrAOUl6Gt Em 1964, o Raul Soares serviu de navio-prisão, se transformando num cárcere flutuante no Porto de Santos. Mas em seu interior não havia lei e nem respeito à dignidade humana. Direitos aos habeas corpus jamais foram respeitados. As ordens de soltura também não eram atendidas. Segundo relatos de sobreviventes, que constam em reportagens …

PRISÕES NO QUARTEL DO EXÉRCITO, EM QUITAÚNA, APÓS O GOLPE MILITAR DE 64. IPM QUE ENQUADROU SARGENTOS E SUBOFICIAIS. PARTE 3

Nessa parte, o encarregado do Inquérito Policial Militar, Tenente Coronel Sebastião Alvim, determina a prisão de 22 sargentos, todos lotados no Segundo Grupo de Canhões Noventa Milímetros Anti Aéreos. Além de determinar as prisões, os encarregado do IPM estabelece que os sargentos fiquem incomunicáveis e emite mandados de busca e apreensão nas residências dos mesmos, …

INTEGRA DO IPM QUE ENQUADROU SARGENTOS E SUB OFICIAIS QUE NÃO ADERIRAM AO GOLPE MILITAR. 2. ATIVIDADES DOS TROTSKISTAS DO PORT

Essa parte do IPM instaurado um ano após o Golpe Militar, fala sobre as atividades de alguns membros do Partido Operário Revolucionário Trotskista, suas ligações com militares e distribuição do jornal Frente Operária em quarteis e portas de fábricas.

INTEGRA DO IPM QUE ENQUADROU SARGENTOS E SUB OFICIAIS QUE NÃO ADERIRAM AO GOLPE MILITAR. 1. NAVIO PRISÃO RAUL SOARES

Em 1964, o Raul Soares serviu de navio-prisão, se transformando num cárcere flutuante no Porto de Santos. Mas em seu interior não havia lei e nem respeito à dignidade humana. Direitos aos habeas corpus jamais foram respeitados. As ordens de soltura também não eram atendidas. Segundo relatos de sobreviventes, que constam em reportagens e livros …

UM ANO APÓS A ANISTIA, O MOVIMENTO SINDICAL AINDA ERA MONITORADO PELA AERONÁUTICA

Os trabalhadores foram a principal parcela da população alvo das perseguições políticas e de diversas medidas tomadas pelo governo ditatorial militar como ataques aos seus órgãos representativos, sistemáticas prisões, torturas, execuções, desaparecimentos, bem como a implantação de uma série de medidas que levaram ao arrocho salarial e à piora das condições de trabalho. Esse cenário …