ciex Condor Geral Operação Condor Repressão

INFORME DE AGENTE SECRETO DO CIEX SOBRE ASSOCIAÇÃO CHILENA BRASILEIRA DE SOLIDARIEDADE

Ministério das Relações Exteriores

CIEX nº 419/73

11 setembro 73

Origem: Altair

28 julho 73

Atividades da Associação Chile Brasileira de Solidariedade

No caso, o agente do Ciex, que assina o informe como Altair, após ter se infiltrado na comunidade de exilados políticos faz uma narrativa sobre a caixinha de socorro coordenada por José Ferreira Cardoso.

Um dos mais eficientes agentes da ditadura militar brasileira foi Alberto Conrado.                             De 1967 a 1980, Alberto Conrado Avegno teve intensa atividade secreta, como infiltrado da ditadura militar (1964-85) entre os exilados brasileiros no Uruguai. Interceptava e copiava cartas, produzia relatórios com nomes, endereços e planos, dando subsídios a 361 informes da ditadura apenas entre 1974 e 75. Fez viagens internacionais para cumprir “missões” do governo brasileiro. Foi detido duas vezes, no Uruguai e no Brasil, e liberado ao revelar-se infiltrado.

Identificado nos relatórios sob diferentes codinomes “Altair”, “Johnson”, “Mário”, “Carlos Silveira” e até mesmo “Zuleica”, ao longo de 14 anos ele se firmou como “único homem infiltrado no meio subversivo e peça fundamental do esquema de segurança do Brasil no Uruguai”. As palavras são de um homem da ditadura, o delegado Rui Dourado, que ajudou o ex-embaixador Manoel Pio Corrêa a montar o Ciex (Centro de Informações do Exterior), máquina de espionagem do Itamaraty

 

INFORME DE AGENTE SECRETO DO CIEX SOBRE ASSOCIAÇÃO CHILENA BRASILEIRA DE SOLIDARIEDADE

INFORME DE AGENTE SECRETO DO CIEX SOBRE ASSOCIAÇÃO CHILENA BRASILEIRA DE SOLIDARIEDADE

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.