AÇÃO POPULAR - AP capa Depoimentos DOI CODI DOPS DOS ESTADOS Forças Armadas Geral Luta Operária ORM - POLOPE Relatórios CEVs Relatórios CEVs Religiosos Torturadores Torturas

TORTURAS E ABORTO NO QUARTEL DO EXERCITO EM VOLTA REDONDA. RELATO DA ESTUDANTE DE ARQUITETURA E MILITANTE DA JUVENTUDE OPERARIA CATOLICA

Estrella Dalva Bohadana era estudante de arquitetura e militante da Juventude Operaria Católica, quando foi presa em dezembro de 1970. Logo apos sua prisão, foi levada para o 1º BIB, em Volta Redonda. Na primeira noite no quartel do Exército recebeu tapas no rosto, socos no estômago, “telefones” e começaram os choques nos seios, nas mãos, na língua e na vagina.

Estrella dormia numa cela gelada, isolada, que na segunda noite já não tinha mais colchão e deitava-se sobre as molas de ferro, onde era amarrada. Durante a madrugada, em que militares entravam na penumbra, e alisavam seu corpo que estava nu e amarrado na cama de molas de ferro, sem colchão.

Numa noite, Estrela estava nua, amarrada nas molas de colchão onde aplicavam choques elétricos.  De repente, entra um seminarista também preso que baixava o rosto para não vê-la nua e os torturadores gritavam:     “olhe, olhe essa puta comunista” e o seminarista, bastante machucado, desviava o olhar.  Diante dessa situação, Estrela falou, “olhe para mim, eu não estou nua, estou vestida com nossos sonhos que não conseguirão destruir”

Nas seções seguintes, além dos choques mais intensos, foi pendurada no pau-de-arara e foi queimada com cigarros. Alguns dias depois, foi encaminhada para o DOI CODI. Novamente, mais choque, muito pau-de-arara e socos. Após dias de torturas, seu corpo estava muito debilitado, estava grávida e sofreu aborto, com muita hemorragia.

TORTURAS E ABORTO NO QUARTEL DO EXERCITO EM VOLTA REDONDA. RELATO DA ESTUDANTE DE ARQUITETURA E MILITANTE DA JUVENTUDE OPERARIA CATOLICA

Você também pode gostar...

2 comentários

  1. Eliete Ferrer says:

    Este trabalho do Aluízio Palmar é imprescindível!
    Parabéns, Aluízio!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.