CULTURAL Forças Armadas Luta pela Anistia Mortos e Desaparecidos

DITADURA MILITAR PRENDEU ELKE MARAVILHA, APÓS A ARTISTA DENUNCIAR TORTURAS E DESAPARECIMENTOS DE PRESOS POLÍTICOS

 

Em 1972, Elke Maravilha estava no Aeroporto Santos Dumont quando viu na parede um cartaz de procurados políticos pela ditadura militar.

O cartaz estampava a foto de Stuart Angel, filho de Zuzu. Elke retirou e rasgou em pedacinhos.
Esse simples ato de revolta lhe causou a prisão. Anexado ao processo estava o cartaz rasgado, acusada de prejudicar a localização do rapaz foragido. Cinismo dos militares, como se não soubessem que Stuart morrera torturado barbaramente nas dependências da Base Aérea do Galeão em 14 de junho de 1971, arrastado por um carro com a boca pendurada ao cano de descarga.

Elke passou seis dias presa e perdeu a cidadania brasileira. Só foi libertada por ajuda do advogado de sua amiga Zuzu. Por anos foi uma apátrida, até que requisitou a cidadania alemã, que teve até falecer há dois anos, em 16 de agosto.

DITADURA MILITAR PRENDEU ELKE MARAVILHA, APÓS A ARTISTA DENUNCIAR TORTURAS E DESAPARECIMENTOS DE PRESOS POLÍTICOS

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.