Ação Popular - AP Geral Resistência SNI

RELATORIO DA SECAO MINEIRA DO SERVICO NACIONAL DE INFORMACOES- SNI- AO CORONEL MEDEIROS, NOMINANDO MILITANTES DA AÇÃO POPULAR

http://pt.scribd.com/doc/213019830/Prisoes-Mioitsnteds-AP

Ação Popular (AP) foi um movimento político nascido em junho de 1962, a partir de um congresso em Belo Horizonte, resultado da atuação dos militantes estudantis da Juventude Universitária Católica (JUC) e de outras agremiações da Ação Católica. A partir de seu segundo congresso, realizado em Salvador, a AP decidiu-se pelo “socialismo humanista”, buscando inspiração ideológica em Emmanuel MounierTeilhard de ChardinJacques Maritain e Padre Lebret. Teve uma vertente protestante, cujo representante mais conhecido foi Paulo Stuart Wright.

Foi composta principalmente de lideranças estudantis entre as quais se destacaram Herbert José de Souza (o Betinho), coordenador até 1964, Jair Ferreira de Sá, José Serra, Vinícius Caldeira Brant, Aldo ArantesHaroldo Lima, Duarte Lago Pacheco, entre outros, contando ainda com a participação de lideranças camponesas e operárias. Em certas áreas, como no Estado de São Paulo onde o coordenador foi Franz-Wilhelm Heimer, a sua atividade principal situou-se no domínio da cultura popular e da alfabetização de adultos, de acordo com as concepções de Paulo Freire.

Antes de 1964, circulava seu periódico Brasil Urgente, fundado por Frei Carlos Josaphat. Após o golpe militar, a organização teve seus principais quadros jogados na clandestinidade ou exilados.

A AP deslocou militantes para as fábricas e para o meio rural, tendo realizado experiências em meios populares como o ABC paulista, a Zona Canavieira em Pernambuco, a Região Cacaueira daBahia, a área de Pariconha e Água Branca, em Alagoas, e no Vale do Pindaré, no Maranhão.

A AP foi acusada do atentado ocorrido em 25 de julho de 1966 no Aeroporto dos Guararapes em Recife – Pernambuco que ocasionou na morte de duas pessoas e 15 feridos. Os mortos no atentado na época foram o Secretário de Governo de Pernambuco na época, Edson Régis de Carvalho, e o almirante da reserva Nelson Gomes Fernandes.

Em 1968, surge a dissidência do PRT, liderada pelo Padre Alípio de Freitas, por Vinícius Caldeira Brant e Altino Dantas. Posteriormente, passou a ser conhecida como AP Socialista, aproximando-se da POLOP e do MR-8. Em março de 1971, a AP adotou formalmente o leninismo e se proclamou partido, com a denominação de Ação Popular Marxista-Leninista (APML).1

Com base em seu Programa Básico, a APML propôs ao PCdoB e a outras organizações de inspiração leninista a conjugação de esforços para a formação de um partido proletário. O PCdoB não aceitou, considerando o Programa Básico “excessivamente trotskista“, e reagiu sobretudo à pretensão de formação de um único partido do proletariado – que já seria o próprio PCdoB. Afinal a APML cedeu, aceitando o PCdoB como único partido revolucionário e adotando as suas linhas doutrinárias: stalinismo irrestrito, que se tornou o universo ideológico comum de ambas organizações, e a caracterização da sociedade brasileira e da revolução brasileira.

Após a fusão do grupo maior ao PCdoB, a Ação Popular Socialista foi praticamente desarticulada pela brutal repressão desencadeada pela infiltração do ex-militante Gilberto Prata Soares, que levou às mortes de José Carlos da Mata Machado e Gildo Macedo Lacerda, e aos desaparecimentos de Paulo Stuart WrightHonestino Guimarães, Humberto Câmara Neto, Fernando Augusto Santa Cruz de Oliveira e Eduardo Collier Filho, além da prisão de militantes e simpatizantes em vários estados do país.

Alguns membros da AP anterior a 1964 chegaram nos últimos anos a posições de destaque na política brasileira; exemplos são Plínio de Arruda Sampaio, José Serra e Cristóvam Buarque.

Parte do arquivo histórico da organização encontra-se disponível para pesquisa no Centro Sérgio Buarque de Holanda da Fundação Perseu Abramo. (WIKIPEDIA)

ÁUDIO E VÍDEORELATÓRIOS CVSREPRESSÃORESISTÊNCIAMORTOS E DESAPARECIDOSFUNDOSDISSERTAÇÕESIMAGENS RELATORIO DA SECAO MINEIRA DO SERVICO NACIONAL DE INFORMACOES- SNI- AO CORONEL MEDEIROS, NOMINANDO MILITANTES DA AÇÃO POPULAR

Você também pode gostar...

1 comentário

  1. Excelentes Pontos, ganhou mais um leitor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.